Map route

The map of this route is not available

Concelho de Nisa - ENTRE AZENHAS PR 7

Anmelden oder Registrieren um Abstimmung oder zu den Favoriten hinzufügen

Anmeldung: •Concelho de Nisa - ENTRE AZENHAS PR 7

Travel Forms: Zu Fuß

  • Januar gelb
  • Februargelb
  • Märzgrün
  • Aprilgrün
  • Maigrün
  • Junigrün
  • Juligelb
  • Augustgelb
  • Septembergelb
  • Oktobergelb
  • Novembergelb
  • Dezembergelb
  • Óptima: green
  • Media: yellow
  • Mala: red

Entfernung Entfernung: 6,5km

Geschätzte Zeit Geschätzte Zeit: 2h30

Route Type Route Type: Rundweg

Beschreibung:

Nisa> EN 359> Montalvão
O percurso inicia-se em Montalvão, povoação rural e pitoresca, rodeada pelos rios Tejo e Sever, cujas habitações se destacam no alto de um monte isolado na paisagem. Observe as ruínas do castelo, de onde se contemplam as paisagens alentejanas, beirã e espanhola, e percorra as ruas da antiga vila, apreciando as casas caiadas de branco e os rodapés azuis e amarelos das fachadas. As igrejas Matriz e de Misericórdia, o pelourinho manuelino e as capelas de S. Pedro e do Espírito Santo são outros locais de visita obrigatória. Na casa do Povo conheça alguns instrumentos ligados ao linho, outrora importante recurso económico de povoação. Siga então pelo caminho que nos conduz até às encostas do Sever, passando junto ao cemitério da aldeia e a antigos currais, que há muito deixaram de dar guarida a gado. Atrevesse uma série de hortas, percorrendo trilhos de pé posto vincados entre eucaliptos e alguns pinheiros. Mais abaixo, revelam-se, finalmente, por entre o denso arvoredo, as margens escondidas do rio, numa zona de declives acentuados, onde abundam as fontes e nascentes, e cujos solos foram amplamente cultivados e rentabilizados no passado, nomeadamente com a actividade de pastorícia.
Depois de encontrarmos a margem do Sever, que nasce na encosta norte da serra de São Mamede e desagua no Tejo, servindo de fronteira entre Portugal e Espanha em três quartos do seu percurso, surge a primeira nascente deste trajecto, cujo rasto na direcção da submersa azenha do Nogueira, a apenas alguns metros. Nesta área esculpida pelos cursos de água, as margens enchem-se de freixos, choupos e junco, enquanto que nos caminhos abundam a esteva, a giesta, o medronheiro e o zambujeiro. A zona é igualmente propícia à observação da fauna local. O veado, o javali, a corja, a garça-real, a cegonha-negra, o melro, a perdiz e o pato-bravo são alguns dos animais que por ali se avistam, com o território espanhol espreitando em permanência do outro lado. Siga o trilho, passando por entre vegetação densa, e aprecie as panorâmicas sobre o rio ou os muitos pegos, onde se pode pescar o barbo, a carpe ou o achigã. Acompanhe então a margem, em direcção ao norte, até à azenha do Artur, local privilegiado para merendar e onde o esperam as fontes férreas e um pequeno abrigo em xisto. Abandonando a margem, iniciamos a subida acentuada, eucaliptal adentro, acompanhados de fartas giestas e estevas. Mais acima, impõe-se a paisagem de sobro, que nos acompanha no regresso a Montalvão por caminhos de terra batida, ladeados por muros baixos de grossas lajes de xisto e palmilhados no passado por camponeses e contrabandistas. Procure então nos cafés e tabernas da povoação as sopas de peixe e os petiscos de javali, e leve para casa algum artesanato, como os trabalhos em madeira e ferro.

Ermida de N.Sra. Remédios
A par das touradas à vara larga, a festa de Nossa Senhora dos Remédios, que tem lugar a 8 de Setembro, é uma das principais manifestações culturais de Montalvão. Não muito longe desta ermida, junto à estrada que liga a povoação à localidade espanhola de Cedillo, existe uma anta, monumento habitual por estas paragens.

Azenhas Artur e Nogueira
Integralmente construídas em xisto, são duas das estruturas onde antigamente se fazia a moagem do trigo cultivado nos montes em redor de Sever, hoje totalmente submersas pela barragem de Cedillo. Tradicionalmente, a corrente do rio era desviada até à azenha, movendo a mó ao incidir na roda motriz. Sistema chegou à península no século X através dos árabes, precursores de engenhos hidráulicos como o açude, o alcatruz, a nora e a picota.

Contrabando
Na década de 1930, com a Guerra Civil Espanhola, escasseiam nos pais vizinho produtos como pão, açúcar, sabão, tabaco ou sal. Devido à falta de emprego e ao trabalho rural mal remunerado, o contrabando torna-se um meio de subsistência para muitas famílias de região.
De noite e de bolsos cheios, homens, mulheres e crianças de Montalvão, Nisa, Salavessa, Monte do Duque, Pardo e Arneiro passavam a pé o Sever e percorriam trilhos e veredas até à fronteira, evitando os guardas-fiscais portugueses ou ao carabineiros espanhóis, sendo esperados pelos compradores que vinham de Cedillo. Este percurso deu lugar à Rota do Contrabando.
ASPECTOS de INTERESSE

RIO SEVER: o rio Sever nasce na encosta norte de serra de São Mamede, servindo de fronteira entre Portugal e Espanha ao longo de mais de quarenta quilómetros.
Três quartos do seu percurso são partilhados entre os dois países, numa extensão que vai de El Molino de la Negra até à barragem de Cedillo, onde desagua no Tejo. O Sever é não só um dos principais cursos de água originários do norte alentejano a afluir naquele rio internacional (para além das ribeiras de Nisa, de Sor e de Seda), mas também, juntamente com o Sorraia, um dos principais afluentes da sua margem esquerda.

FONTES: por detrás do denso arvoredo desta zona de declives acentuados revelam-se não só as margens escondidas do rio Sever, mas também abundantes fontes férreas e nascentes, que brotam do interior de solos outrora ocupados com searas de trigo e rentabilizados com a actividade da pastorícia.
Estas fontes, dispersas ao longo dos vários trilhos de terra que serpenteiam os montes em redor do Sever, abasteciam não só os lavradores e moleiros que ali trabalhavam diariamente, mas também os pescadores ocasionais que por ali passavam.

FAUNA E FLORA em destaque

CARPA: peixe de dorso castanho esverdeado, comum nas albufeiras e cursos de corrente fraca com vegetação abundante. Alimenta-se de invertebrados, plantas e algas. Pode chegar aos 120cm e viver até aos 50 anos.

MURTA: as folhas deste arbusto, conhecido por murteira ou murtinheira, eram usadas em preparados farmacêuticos. As suas flores brancas são utilizadas em perfumaria, enquanto que das bagas azuladas, chamadas murtinhos ou mortunhos, se faz licor.

Half MIDE: Das Medium ist keinen Risiken ausgesetzt

Itinerary MIDE: Klar definierte Straßen und Kreuzungen

MIDE displacement: Größtenteils glatte Oberfläche