Map route

MARI LOZA

Inicie sessãoou registe-se para votar ou adicionar aos favoritos

Registo: SL

Formas de viagem : A pé

  • Janeiro red
  • Fevereirogreen
  • Marçogreen
  • Abrilgreen
  • Maiogreen
  • Junhogreen
  • Julhogreen
  • Agosto
  • Setembro
  • Outubro
  • Novembro
  • Dezembro
  • Óptima: verde
  • Media: amarela
  • Mala: vermelho

Distância Distância: 5,5 km

Altura máxima Altura máxima: 268,3 m

Altura mínima Altura mínima: 122,2 m

Inclinação positiva (ida) Inclinação positiva (ida): 12,9 m

Diferença negativa (volta) Diferença negativa (volta): 140,8 m

Tempo previsto Tempo previsto: 1 hora y 40 minutos

Rota Tipo Rota Tipo: Ida e volta

Descrição:

O percurso parte de Herrera de Alcántara pelo carreiro de Mari Loza, para dirigir-se a um miradouro nas margens do Tejo, primeiro, e ao embarcadouro, mais tarde, desde onde se pode aceder a um segundo miradouro junto a um grupo de casas de antigos pescadores. É um percurso curto, muito agradável de efectuar, embora apresente alguns declives bastante acentuados e nalguns troços efectua-se por um trilho estreito.

Embora se inicie entre oliveiras, trata-se do percurso de maior interesse botânico do Parque Natural, com a representação de vegetação de zona sombria de orla mais notável; primeiro aparecem lódãos (Celtis australis) e espinheiros (Crataegus monogyna), que, à medida que o trilho se torna mais abrupto, vão dando lugar a azinheiras (Quercus ilex subsp. ballota), carvalhos-cerquinho (Quercus faginea), medronheiros (Arbutus unedo), adernos e lentiscos-bastardos (Phillyrea latifolia y Phillyrea angustifolia), adernos-bastardos (Rhamnus alaternus), terebintos (Pistacia terebinthus), lentiscos (Pistacia lentiscus), folhados (Viburnum tinus), urze-branca (Erica arborea), gilbardeiras (Ruscus aculeatus) e jasmins (Jasminum fruticans). Também abundam outras espécies de menor porte, como o narciso (Narcissus triandrus Subs. pallidulus), aromáticas como a manjerona (Origanum majorana) ou o orégão (Origanum virens), orquídeas como a Orchis morio...; um verdadeiro alarde de diversidade vegetal ao qual se junta a presença de numerosas aves florestais como o chapim-rabilongo (Aegithalos caudatus) e mamíferos como a lontra (Lutra lutra), o texugo (Meles meles) ou a fuínha (Martes foina).

Outro atractivo do percurso é que se encontra perfeitamente interpretado com pequenos placards com informação de caractér botânico, pelo que se pode considerar como um itinerário temático. De qualquer forma, trata-se de um dos percursos mais interessantes e bonitos do Parque Natural.

Meio MIDE: O meio não está isento de riscos

Itinerário MIDE: Caminhos e cruzamentos bem definidos

MIDE displacement: Marcha por caminhos em ferradura