Map route

MIRADOR DE LAS VIÑAS

Inicie sessãoou registe-se para votar ou adicionar aos favoritos

Registo: PR-CC96

Formas de viagem : A pé

  • Janeiro red
  • Fevereirogreen
  • Marçogreen
  • Abrilgreen
  • Maiogreen
  • Junhogreen
  • Julhogreen
  • Agosto
  • Setembro
  • Outubro
  • Novembro
  • Dezembro
  • Óptima: verde
  • Media: amarela
  • Mala: vermelho

Distância Distância: 14,9 km

Altura máxima Altura máxima: 332,5 m

Altura mínima Altura mínima: 158,7 m

Inclinação positiva (ida) Inclinação positiva (ida): 38,4 m

Diferença negativa (volta) Diferença negativa (volta): 221,6

Tempo previsto Tempo previsto: 3 horas y 30 minutos

Rota Tipo Rota Tipo: Ida e volta

Descrição:

O percurso parte da estrada de Santiago de Alcántara a Carbajo e chega até ao miradouro de Las Viñas que, desde a sua localização na orla do Tejo, oferece umas vistas panorâmicas extraordinárias do grande rio. O trajecto passa, antes, junto a uma grande torre de madeira que funciona como miradouro e observador ornitológico, cujas chaves se devem solicitar no Centro de Interpretação “El Péndere”, em Santiago de Alcántara, se queremos aceder ao seu interior.

Trata-se de um trajecto cómodo de efectuar, que apenas apresenta um declive acentuado no último troço, como no resto dos percursos que se dirigem ao rio. Avança por uma paisagem suave de montados de azinheiras (Quercus ilex subsp. ballota), até se aproximar à orla, onde a vegetação se vai transformando, aparecendo medronheiros (Arbutus unedo), esteva (Cistus ladanifer), tojo (Genista hirsuta) e lentisco-bastardo (Phillyrea angustifolia). Termina no miradouro de Las Viñas, já perto da margem do rio, onde chega, atravessando alguns cultivos de oliveira alternados com vegetação própria das zonas sombrias, e onde se torna fácil observar pequenas aves como a trepadeira-azul (Sitta europaea), o chapim-rabilongo (Aegithalos caudatus) ou a toutinegra-de-cabeça-preta (Sylvia melanocephala).

Durante o percurso, e desde a torre observatório, é possível admirar o vôo de quase todas as grandes aves do Parque Natural: abutre-preto (Aegypius monachus), águia imperial (Aquila adalberti), abuttre-do-Egipto (Neophron percnopterus), águia-de-Bonelli (Hieraaetus fasciatus) ou a cegonha preta (Ciconia nigra), entre outras. Também não será de estranhar encontrar grupos de veados (Cervus elaphus), sobretudo no troço médio do percurso, e em Setembro, durante a brama, é uma boa zona para ouvir relativamente de perto os grandes machos desta espécie.

Meio MIDE: O meio não está isento de riscos

Itinerário MIDE: Caminhos e cruzamentos bem definidos

MIDE displacement: Muita superfície lisa